Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

BANDIDOS INVADEM CASA E FAZEM MORADORES REFÉNS DURANTE ATAQUE A BANCOS EM BOTUCATU

nossas REDES SOCIAIS

Peça sua música

Pedido de Música

Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Clique aqui e faça o seu Pedido de Música

Os criminosos que atacaram pelo menos três agências bancárias e explodiram uma delas em Botucatu, na noite desta quarta-feira, dia 29, fizeram uma família refém depois de invadir a casa dela durante a ação. O ataque durou cerca de três horas e causou pânico na cidade.

Em um vídeo que circula nas redes sociais, os criminosos entram na garagem de uma casa após gritarem para o morador abrir o imóvel para eles.

Os criminosos mostram irritação e gritam várias vezes com o morador, mandando ele entregar rapidamente a chave do carro. Nas imagens, é possível ver que eles ligam o carro que estava na garagem.

Em outro vídeo de câmeras de circuito de segurança, os criminosos entram em um estacionamento e fazem pessoas pelo menos duas pessoas que estavam no local reféns. Os moradores são empurrados para fora do estacionamento pelos criminosos, com fuzis nas mãos. É possível ouvir o barulho de vários disparos enquanto os reféns saem do local.

Outra imagem mostra reféns sentados no meio da rua sob a mira de um dos criminosos.

Pelo menos 40 homens teriam participado da ação. Eles trocaram tiros com a polícia e incendiaram veículos, um deles em frente ao batalhão da PM, para atrapalhar a ação dos policiais. Outros cinco veículos foram incendiados em rodovias nos acessos a cidade. Dois policiais ficaram feridos no confronto e um bandido morreu.

Um morador de São Manuel, cidade vizinha, foi rendido e obrigado a descer do carro quando voltava para casa após sair do trabalho por volta das 23h30. Ele foi abordado após ter carro fechado por um veículo usado pelos criminosos.

“Primeiro me perguntaram se eu estava armado, disse que não, então ele disse puxa o freio de mão e corre. E foi o que a gente fez, saímos de lá e não vi mais nada. Eles apontavam as armas para gente o tempo todo, mas foi muito rápido, não dá nem para dizer que senti medo, de tão rápido que foi”, lembra.

 

Deixe seu comentário: